Para Anselm Grün, não existem "razões teológicas" que impeçam o sacerdócio feminino

Monge beneditino Anselm Grün. Crédito: SirLuetzow (Wikimedia)